FalkenNews
ANO V – nº – São Paulo, agosto de 2010

Santo Agostinho

28 de agosto


Aurélio Agostinho nasceu em Tagasta, cidade da Numídia na Africa, de uma familia burguesa, a 13 de novembro do ano 354. Seu pai, Patrício, era pagão, tendo recebido o batismo pouco antes de morrer, sua mãe, Mônica, pelo contrário, era uma cristã fervorosa, e exercia sobre o filho uma notável influência religiosa. Indo para Cartago, a fim de aperfeiçoar seus estudos, começados na pátria, desviou-se moralmente. Caiu em uma profunda sensualidade, que, segundo ele, é uma das maiores consequências do pecado original; dominou-o longamente, moral e intelectualmente, fazendo com que aderisse ao maniqueísmo, que atribuía realidade substancial tanto ao bem como ao mal, julgando achar neste dualismo maniqueu a solução do problema do mal e, por consequência, uma justificação da sua vida. Tendo terminado os estudos, abriu uma escola em Cartago, donde partiu para Roma e, em seguida, para Milão. Afastou-se definitivamente do ensino em 386, aos trinta e dois anos, por razões de saúde e, mais ainda, por razões de ordem espiritual.

Entrementes - depois de maduro exame crítico - abandonara o maniqueísmo, abraçando a filosofia neoplatônica que lhe ensinou a espiritualidade de Deus e a negatividade do mal. Destarte chegara a uma consepção cristã da vida - no começo do ano 386. Entretanto a conversão moral demorou ainda, por razões de luxúria. Finalmente, como por uma fulguração do céu, sobreveio a conversão moral e absoluta, no mês de setembro do ano 386. Agostinho renuncia inteiramente ao mundo, à carreira, ao matrimônio; retira-se, durante alguns meses, para a solidão e o recolhimento, em companhia da mãe, do filho e de alguns discípulos, perto de Milão. Aí escreveu seus diálogos filosóficos, e, na Páscoa do ano 387, juntamente com o filho Adeodato e o amigo Alípio, recebeu o batismo em Milão das maõs de Santo Ambrósio, cuja doutrina e eloquência muito contribuíram para a sua conversão. Tinha trinta e três anos de idade.


Depois da conversão, Agostinho abandona Milão, e, falecida a mãe em Óstia, volta para Tagasta. Aí vendeu todos os haveres e, distrubuído o dinheiro entre os pobres, funda um mosteiro numa das suas propriedades alienadas. Ordenado padre em 391, e consagrado bispo em 395, governou a igreja de Hipona até à morte, que se deu durante o assédio da cidade pelos vândalos, a 28 de agosto do ano 430. Tinha setenta e cinco anos de idade.


Após a sua conversão, Agostnho dedicou-se inteiramente ao estudo da Sagrada Escritura, da teologia revelada, e à redação de suas obras, entre as quais têm lugar de destaque as filosóficas. As obras de Agostinho que apresentam interesse filosófico são, sobretudo, os diálogos filosóficos: Contra os acadêmicos, Da vida beata, Os solilóquios, Sobre a imortalidade da alma, Sobre a quantidade da alma, Sobre o mestre, Sobre à música. Interessam também à filosofia os escritos contra os maniqueus: Sobre os costumes, Do livre arbítrio, Sobre as duas almas, Da natureza do bem.

Dada, porém, a mentalidade agostiniana, em que a filosofia e a teologia andam juntas, compeende-se que interessam à filosofia também as obras teológicas e religiosas, especialmente: Da Verdadeira Religião, As confissões, A Cidade de Deus, Da Trindade, Da Mentira.

O mais profundo filósofo da era patrística e um dos maiores genios teológicos de todos os tempos foi Santo Agostinho, cuja influência plasmou a idade média. Foi também fundador da Ordem religiosa Agostiniana.



 


FalkenNews
Antecipando a informação

 

Veja Também
01/08 - Santo Afonso Maria de Ligório, clique aqui
07/08 - São Caetano, clique aqui
08/08 - São Domingos de Gusmão, clique aqui
11/08 - Santa Clara de Assis, clique aqui
14/08 - São Maximiliano Kolbe, clique aqui
25/08 - São José de Calasanz, clique aqui

28/08 - Santo Agostinho, clique aqui
 

 

EDIÇÕES ANTERIORES

FalkenNews ANO V– nº 8 – São Paulo, julho de 2010 veja também
FalkenNews ANO V– nº 7 – São Paulo, junho de 2010 veja também
FalkenNews ANO V– nº 6 – São Paulo, maio de 2010 veja também
FalkenNews ANO V– nº 5 – São Paulo, abril de 2010 veja também
FalkenNews ANO V– nº 4 – São Paulo, março de 2010 veja também
FalkenNews ANO V– nº 3 – São Paulo, fevereiro de 2010 veja também

FalkenNews ANO V– nº 2 – São Paulo, janeiro de 2010 veja também

FalkenNews ANO IV– nº 2 – São Paulo, março de 2009 veja também

FalkenNews ANO III – nº 6– São Paulo, dezembro de 2008 veja também